Skip to main content

Mari-Sem-Vergonha em: Não perca tempo!

Já imaginou escrever uma história sem pensar em “Era uma vez”?
E em uma vida sem pensar em “quando for minha vez”?
Sem nostalgia, nem ansiedade.
Sem olhar pra frente, nem pra trás.
Dando um chega pra lá no excesso de passado e na overdose de futuro.
Já pensou?
Em pensar no hoje?
No agora?
Em uma história que começa a cada segundo.
Em começar todo santo dia, naquele abrir dos olhos preguiçosos, como se fosse o último?
O único.
Essa é, exatamente, a forma de escrever sua história.
E a minha também.
Você tem a opção de pedir mais cinco minutinhos ou devorar cada um dos 86400 segundos que tem pela frente.
Em escolher entre “quandos” e “ses”.
Ou sair escrevendo por aí.
Vivendo.
Imagina?
Dizer o que se pensa, fazer o que se quer, investir no que se ama.
Imagina?
Ter coragem pra olhar pra si.
Sem pensar em preencher expectativas externas, sem medo de fracasso ou arrependimento.
Imagina?
Aceitar o que se tem e abraçar o que se é.
Hoje.
Todos os dias.
Fazer de cada cicatriz, cada centímetro de imperfeição, um pedacinho da história que é você.
Do seu corpo, seu templo, a máquina responsável por conduzir o rumo desse romance.
Que começa hoje.
Que não tem outro rumo diferente desse instante.
É exatamente assim que sua história é escrita.
A minha também.
Estamos todos nus.
Sem motivo nenhum pra fazer algo que não seja com o coração.
Tire o relógio.
Vista amor próprio.
Esse é seu look do dia.
Hoje.


Pense em você hoje, amanhã e sempre.
Em todos os momentos a Flaminga estará ao seu lado para cada instante que viver ♡

Leia Mais

Ame seu corpo e tudo que há em você. AME-SE!

Mari7

“Era uma vez…

Um conto de fadas…

Que ensinou a menina a se preparar pro baile de máscaras.

A perder o sapatinho.

A jogar as tranças.

A morder a maçã.

A pedir socorro.

A ser frágil.

A sonhar com final feliz.

A esperar por príncipe encantado.

E era outra vez…

O conto de nossos dias.

Que ensina a menina dançar.

A guardar o sapatinho na bolsa pra poder se equilibrar.

A soltar os cabelos.

A cortar a trança fora.

E se lambusar de chocolate. 

A ser forte.

E enxugar garrafas de vinho ao invés de lágrimas.

Nesse conto princesa beija sapo.

Joga o sapato pro alto.

Domina a pista do baile.

E se apaixona todo dia pelo espelho espelho dela <3″

Neste Dia Dos Namorados, princesa, sapa ou rainha, seja você, ame-se!
Dê aquele carinho que você merece, combine, experimente e se conquiste cada dia mais.
A Flaminga acredita que quando a gente se ama, o amor contagia <3

Leia Mais

Mari-sem-vergonha está pronta para te ajudar!

Mari6-txt

Era uma vez um armário abarrotado…

E ela, estática, cansada, suada, de calcinha e sutiã.

Exausta.

Depois de provar 750 combinações.

Depois de jogar tudo pro alto, na cama, no chão (pela janela – quase!).

Ela senta.

E levanta.

E deita, e chora, e grita:

NÃO TENHO ROUPA!

Ela respira fundo.

E apela pro vestido preto (remendado, desbotado, amarrotado), DE NOVO.

Enquanto a saia listrada continua no cabide – morrendo de vergonha porque au-men-ta (pshh!!!) o volume.

O mini vestido de couro segue escondidinho (e a celulite?!).

A calça estampada fica ali no cantinho, ainda com etiqueta (bumbum avantajado, né?)…

E todas as outras listras.

E outros vestidos.

E calças, e saias, e regatas, e decotes.

Um universo inteiro de matchs tímidos.

Cheios de vergonha de afrontar o “evite”, o”prefira”, o “disfarce”.

Cansados de tanto esconda! esconda! esconda!

E ela disse CHEGA!

Ela decidiu que não.

Que não tem, nunca teve, e não mais terá motivo pra vergonha.

E ela deu um mergulhão pra dentro de si.

E pra fora.

E pra dentro do espelho.

E pra dentro do armário.

E pra fora.

Sem essa de disfarçar, aprendeu a esbanjar.

Proporções, cores, curvas, pele, estilo!

Aprendeu a mostrar tudo o que gostava de ver.

Se conheceu.

E entendeu que sempre foi, é e pode sempre ser LINDA – todos os dias.

O tempo todo.

Sem vergonha <3

__________________

Conhecer a si mesma pode fazer fazer maravilhas por você (e pelo seu guarda-roupa também).
Que tal um mergulhão? Se aventure em tudo aquilo que você sempre disse “não”, faça uma Consultoria de Estilo Plus Size com a Xuxuzérrima da Mari Camargo 😉
Veja mais o incrível trabalho da Mari no Ih! Não tenho roupa e comece a se conhecer cada vez mais!
E a cada versão sua a Flaminga estará pronta para a sua escolha <3

Leia Mais

Mari-sem-vergonha dá a dica: é preciso (re)construir

Sonhe e sorria tudo de novo!


Mari5

Mari-sem-vergonha está altamente influenciada por Guimarães Rosa :)

“No esquenta-esfria da vida, além de coragem, é preciso descuido.

Deixar a bagunça de lado.

O respiro sair.

O barco ir.

Aceitar o tombo.

Reconhecer a queda.

Desabar.

Entender o quão terrivelmente pequenos somos e quão horrorosamente grande é essa vida.

Jogar fora todo o peso.

Afrouxar o aperto todo.

Deixar fluir.

Saber entregar o que vai.

E acolher o que fica.

Rejeitar o buraco.

Fazer da obra prima trapo.

E costurar tudo de novo.

E sonhar tudo de novo.

E sorrir tudo de novo.

Viver tudo de novo.

Descuidar-se.

E achar felicidade.

Tudo de novo.

Coragem!

Viver é etcétera.

<3″

Nós da Flaminga acreditamos que estamos em constante transformação, e para cada fase sempre teremos o look ideal <3

Leia Mais

O caminho é árduo, mas a vista é maravilhosa – Femicidade

FEMINICIDADE – SP

A ocupação da MULHER no espaço urbano.

 

mari sem vergonhaEra uma vez…

Todas nós.

A moça do rosto bonito.

A amiga engraçada.

A colecionadora de cangas.

A cobaia de dietas.

O ponto de referência.

O objeto de fetiche.

O eterno copiloto, sempre no banco da frente.

Mulheres desleixadas.

Mulheres preguiçosas.

Mulheres etiquetadas.

Desleixo pela falta de opções.

Preguiça por indolência do metabolismo.

Etiqueta que não é P, nem M, nem G.

As “fora do padrão”.

Mulheres cansadas de ser gordinhas, fofinhas, curvilíneas, de parecerem erradas.

Mulheres que decidiram cruzar as fronteiras limitadas pela etiqueta e inverter o curso do caminho até a perfeição.

Ao invés de ela vir de fora pra dentro, ela passou a ir de dentro pra fora.

Porque ninguém precisa de um projeto pra ser alguém ou alguma coisa, porque nós somos o que somos, somos pessoas, não somos metas e não vivemos em só um momento do ano.

Somos e vivemos todos os dias e é nosso dever nos sentirmos confortáveis em nossa própria pele, definitivamente, sem culpa.

O caminho é árduo, mas a vista é maravilhosa, e inclui gordo em capa de revista, na tela do cinema, no topo das paradas, nas passarelas internacionais.

Inclui.

Representa.

Está longe de ideias e próximo de realidades.

Somos mulheres gordas.

Mulheres que passaram a se ver como parte do baile, sem roupa provisória, sem planejamento, sem vergonha.

*Faz parte desse caminho reivindicar nosso espaço, reclamar da catraca, do banco pequeno, da cadeira frágil, da roupa que não entra, do comentário opressor na sua foto bonita. Faz parte desse caminho debater, entre nós e entre todos.

Pensando nisso, no próximo sábado, 12/03, Srta. Mari-sem-vergonha, acompanhada de Luci e Rachel do canal falando sobre gordofobia, e das mulheres que equilibram os pratos rodopiantes da Flaminga, Sylvia Sendacz e Cynthia Horowicz, farão parte do evento Feminicidade, que celebra o Dia das Mulheres por meio de uma série de atividades.

Sylvia e Cynthia participarão do bate-papo sobre mulheres empreendedoras – das 12:00 às 14:00.
Luci e Rachel serão mediadoras da roda de conversa sobre gordofobia – das 14:00 às 16:00.
Mari coloca pra fora seu lado consultora de estilo no workshop especialmente desenhado para mulheres gordas das 16:30 até às 18:00.

É tudo gratuito, só falta vocês!

O evento acontece em São Paulo, na ViLinda – Rua Simão Álvares, 784 – Pinheiros.
Confirme presença e confira a programação completa aqui!

Leia Mais

Mari-sem-vergonha faz Yoga sim!

Calma, equilíbrio e busca.

Era uma vez uma menina gulosamari-txt2-vertical-sem

Uma menina que queria devorar a vida

Abocanhar os dias

Se deliciar

Uma menina exagerada

Excessiva

Descomunal

Uma menina que de tanto querer, foi

Era uma vez uma menina que de tanto ir, voltou

Uma menina que de tanto voltar, ficou

Uma menina que de tanto bagunçar, arrumou

Era uma vez uma menina que de tanto buscar, entregou

Uma menina que deixou de ser mágica

Ficou só equilibrista

Uma menina que dança na corda bamba de sombrinha

Em cada passo dessa linha

Com calma e exagero,

Excesso e desapego

Desequilibrando com balanço

Era uma vez uma menina que silenciou o conflito

Uma menina que deixou de ir e aprendeu a ficar

Era uma menina que entendeu que não precisava buscar o que já era dela

Mas que podia expandir pra quem ainda não encontrou

O exagero que não precisa ser redundância

O excesso que quer afago

O descomunal que precisa de respiro

Eu sou essa menina e tenho um convite especial :)

Uma aula de yoga especialmente gravada pra vocês

Pra quem quiser aprender a encontrar lugares novos – dentro de si <3  Afinal, somos todas Mari-sem-vergonha!            

Que este post inspire a todas as Maris, Fernandas, Paulas, Gabis, Julianas… Somos todas Sem-Vergonhas!
Faça aquilo que te fará bem, e seja qual for sua escolha a Flaminga estará a postos para te ajudar na escolha ideal do que vestir!
Não esqueça de assinar o Blog e de passar lá na flaminga.com.br para garimpar suas peças Fitness 😉

Leia Mais